Economia de SJDR: recessão terminou no mercado de trabalho formal

Em termos percentuais, o número de empregados em São João del-Rei aumentou mais do que o acréscimo no estado de Minas Gerais, em relação ao total do início do ano.


Economia

José Venâncio de Resende1

Comércio no centro histórico de SJDR.

O ano de 2017 fechou com 285 novos postos de trabalho em São João del-Rei, após dois anos de queda superior a 800 empregos com registro na carteira profissional. É o que mostram os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, divulgados recentemente para todos os municípios brasileiros.

A recessão terminou no mercado de trabalho formal, como já vinha antecipando o economista Aluizio Barros, professor aposentado da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ). O número de empregos formais veio crescendo desde março, alcançando 422 novos postos de trabalho em outubro.

A construção civil liderou a recuperação com 87 novas vagas. “Pode-se dizer que o aumento do emprego foi generalizado em todos os setores da economia são-joanense”, assinala Barros.

O comércio, responsável por 5.545 empregos locais, exibia números negativos até setembro, mas terminou o ano com 22 novos postos de trabalho. “O destaque é o subsetor de supermercados que gerou 110 novos empregos no ano passado”, observa o economista.

Melhor do que Minas

Em São João del-Rei, foram 5.938 admissões contra 5.653 demissões, daí o saldo positivo de 285 empregos. Houve um aumento de 1,78% em relação ao total de empregados no início do ano (15.975). “Este aumento foi muito superior ao registrado no estado de Minas Gerais (0,39%)”, diz Barros. “Para o país como um todo, houve pequena diminuição do emprego.”

O maior crescimento ocorreu nos seguintes setores: construção civil (87 empregos); indústria de transformação (69); serviços de restaurantes (28); condomínios prediais (20); e comércio de peças e acessórios de veículos automotores (27). “Entre os setores importantes da economia local, apenas o setor do ensino apresentou uma redução no emprego (23), após ter se expandido nos anos de recessão (2015 e 2016).”

Segundo Aluizio Barros, as perspectivas da economia são-joanense para 2018 são otimistas por uma conjunção de três fatores. “Em primeiro lugar, a economia mundial vai bem, o que favorece nossa indústria metalúrgica que é exportadora. Segundo, as projeções de crescimento da economia brasileira estão em torno de 3%, o que reflete positivamente no município. Terceiro, a Lei Orçamentária Anual de 2018 do município prevê R$ 34 milhões de investimentos em urbanismo, educação e saneamento.”

 

Comentários

  • Author

    otimo artigo espero ter mais


Deixe um comentário

Faça o login e deixe seu comentário