São-joanense Ulisses Passarelli lança livro de crônicas sobre a Serra do Lenheiro

Com narrativa dividida em estações, como a via sacra, o livro será lançado na 2ª Edição da FLITI - Feira Literária de Tiradentes.


Cultura

José Venâncio de Resende0

O folclorista e escritor são-joanense Ulisses Passarelli lançará o livro “Estação das crônicas: o santuário do Lenheiro”, na 2ª Edição da FLITI - Feira Literária de Tiradentes , que acontecerá entre os dias 14 e 17 deste mês. Editado pela Aquarius Produções Culturais, o livro relata as experiências das andanças do autor pela Serra do Lenheiro, em São João del-Rei. 

Trata-se de uma narrativa simples, dividida em estações, como a via crúcis, onde a autor descreve a fauna, a flora, as pinturas rupestres, as lendas e as belezas do lugar, assim como o descaso com a sua proteção; enfim, tudo o que ele experimenta e vive nesse santuário de raro encantamento. O livro é ilustrado pelo seu filho Iago Passarelli, e a capa e as orelhas se figuram como um mosaico de fotografias retratando o lugar. 

Ulisses conta que partiu de duas inspirações. A primeira é que a Serra é um espaço ecumênico, ou seja, é um verdadeiro santuário para o povo, em especial religiosos e religiões. A segunda inspiração foi a via sacra (via crúcis). Assim, o autor pensou numa “via sacra ecológica ou cultural pela Serra”, contemplando aspectos como natureza e bens arqueológicos deixados pelo homem. Em paralelo à via crúcis de Cristo, o autor observou que a destruição imposta à Serra pelo homem seria o seu calvário. Assim, “as belezas da Serra eram o seu alvorecer, o seu nascer”. Então, “se configurava uma manjedoura da serra, o lugar sagrado do nascimento”, ou seja, da manjedoura ao calvário correspondem as 15 estações da via sacra. A reflexão final é a oração, a prece do Lenheiro, estampada na última capa do livro. 

Em outras palavras, a ideia do livro “foi perpassar por diversas características da Serra do Lenheiro numa linguagem simples, formatada como crônicas e poesias, que fixam impressões pessoais tomadas de uma percepção adquirida em duas décadas de pesquisas de campo em suas vertentes”, explica Ulisses. As crônicas “evocam a Serra sob a inspiração do sagrado, como o faz a cultura popular, ao se apropriar do território como se fosse um santuário”. 

Nesta perspetiva, continua o autor, “as belezas serranas retratam o seu nascer, enaltecido pelo texto, e a destruição se equipara à morte, seu calvário de descaso, contra o qual o livro insurge”. Assim, o grande objetivo da obra é o despertar da consciência preservacionista, voltar a atenção para tal patrimônio. “O livro antecede a outro mais arrojado, enquanto diagnóstico técnico da Serra, um dossiê, no prelo”, conclui.

Poesia

Também será lançado na 2ª FLITI o livro “Palavras em mim”, de Márcia Heliane Gomes. Trata-se de sua primeira coletânea de versos na qual a autora “se insere na cena da poesia contemporânea com a fabulação poética de um terreno – sua vida – a partir do qual institui um campo de inquirição e de obstinada busca. Sendo mais precisa, a poeta retrata seu mundo enquanto é criada por ele”, resume a sinopse do livro. “Nesse terreno de imagens refletidas nos versos nem sempre simétricos, com ritmo próprio e figuras de linguagem, Márcia se revela em cada poema, deixando escapar a mulher que habita nela.”

Para mais informações sobre os livros, o interessado pode entrar em contato pelo e-mail gomesmarciatiradentes@gmail.com ou pelo telefone (32) 98812-6089.

 

 

  

Deixe um comentário

Faça o login e deixe seu comentário