Retalhos Literários

O escuro cintilante

18 de Fevereiro de 2021, por Evaldo Balbino 0

De noite eu não via quase nada, porque não tinha luz elétrica no povoado.

Lá em casa, parede de tijolo à mostra, chão também de tijolo no qual eu tinha vontade de nadar quando minhas irmãs o lavavam. Eram latas tantas de água que limpavam tudo, e o tijolo do chão bebendo a água que lhe matava a sede. E minha sede de mergulhar ali era muita.

De noite, nessa casa de família numerosa, a luz de lamparina era a nossa companheira. Sua fumaça chegava à cumeeira, sua flama projetava sombras nas paredes. Sombras humanas, pois os demais bichos fugiam lá de casa, tamanha era a higiene com tudo.

Lembro as sombras dos meus irmãos estudando, fazendo de noite o para-casa, porque de tarde ou de manhã, no contraturno da escola, o que faziam eram os afazeres da casa e das roças que o pai cultivava em terra alheia nas proximidades.

Era de noite, nessa casa, que eu via a sombra de minha mãe ao tear. Colchas sendo tecidas para ajudar no cuidado financeiro de tudo. Marido e mulher em labutas sem fim. Lembro a noite em que dois garrotes da redondeza travaram uma baita briga. E seus urros e embates corporais eram escutados a distância. Minha mãe assustou-se; mas, clamando pela misericórdia de Deus, não largou o tear nas altas horas semiescuras.

Digo que eu não via quase nada, porque era de noite. Mas esse não ver era com os olhos materiais na limpidez do dia. Muita coisa eu via sim. Silhuetas dizem mais do que os corpos e os objetos vistos à plena luz. Indecisas, elas acionam o que há em nós da verdadeira visão. É mais real o que imaginamos do que aquilo que vemos.

E era dentro da pequena igreja que a luz era verdadeira. Luz atravessada pelos escuros de dogmas rígidos na verdade, mas em meio à comunhão de reses que, mesmo machucando umas às outras de vez em quando com os chifres, não deixavam de ser grei buscando seu pastor. E o pastor, dizia o cooperador Totonho lá em cima do púlpito, o verdadeiro pastor é o Cristo que se fez Jesus e que morreu em carne por nós.

Na igreja tinha lampião a gás, luxo tanto para casas pobres. Não que a igrejinha fosse rica, mas o ajuntamento do gado (cada rês com seu bolso, vaquinha dali e daqui no que se chamava e se chama de coleta espontânea) permitia o fausto do lampião. E que a mão esquerda não visse o que fazia a direita: assim ninguém sabia o que cada qual dava em contribuição para os gastos básicos da igreja. Os atendentes dos rituais, os faxineiros, os porteiros etc. – todos trabalhavam ali voluntariamente. Porém tinha todo o resto: os lampiões, o gás dos lampiões, a limpeza, o asseio dos dois banheiros ao fundo da igreja (outro “luxo” este, porque praticamente todos usavam em casa era privada seca mesmo!).

O chão do pequeno e simples templo era amarelo. De amarelão, diziam. E como brilhava à luz dos lampiões! E meus pais e outros progenitores levavam colchas para que nós (as crianças exaustas da labuta de ser criança) pudéssemos repousar durante o culto de uma hora e meia. Eu gostava de me deitar ali, com vontade mesmo até de abrir mãos das cobertas forrando aquele brilho gostoso de se ver. A luz de Deus morava no amarelo do chão. A cera e a enceradeira tinham o poder de fazer os olhos de Deus brilharem sob os nossos pés. Mas nada de eu me deitar direto no piso frio! Meus pais não deixavam. Poderia vir um resfriado.

Entre outras crianças, meus olhos semicerrados fingiam um sono que quase nunca existia. Primeiro porque o brilho dos olhos de Deus era espantoso. Não tinha como não olhar para ele. Segundo porque o inferno, vindo com palavras de ferro lá de cima do altar, era terrível e também espantoso. E meu corpo pequeno, bem na boca do sono, temia o ranger de dentes, os lagos de enxofre, o fogo descomunal crepitando por toda a eternidade. Daí meus olhos meio que abertos. A visão do brilho de Deus no chão amansava a dança dos demônios e limpava a mente de algum pecado cometido durante o dia, por ato ou pensamento ou palavra.

E Totonho até que falava manso. Mesmo assim, na sua branda e sussurrada voz, o inferno, mesmo vindo macio e aveludado, era espinho na carne, farpa cravada na pele, cravo incomodando o pé contido num sapato apertado.

Os cultos eram assim, cheios de luz nos escuros da vida. Deus tem doçuras como nós temos, mas somos também brutos em nosso severo amor.

De força em força se caminha

20 de Janeiro de 2021, por Evaldo Balbino 0

Recebo neste Natal de 2020 uma linda mensagem de áudio da minha amiga Elzi Reis. E também lhe envio outro áudio, ao que ela me responde. E as três gravações são longas. Desculpamo-nos mutuamente pelos tamanhos dos arquivos, mas fazemos isso sabendo que as mensagens são necessárias e fraternas.

Minha amiga diz que o Natal a inspirou a conversar comigo, mostrando-lhe a importância de guardarmos o que nos é sempre caro. No nosso caso, a amizade, esta flor que não murcha e que levamos para a ultravida.

Digo-lhe do meu prazer em ouvir o seu áudio, e reafirmo sua garra e dedicação quando ela foi minha professora de 1988 a 1991. Pontual e assídua, ela chegava à escola e dava suas aulas de História com competência e seriedade.

Nas idas e vindas de nossas vozes, falamos de tantas coisas mais. Dos desânimos. Dos declínios. Do tempo que passa. Das forças indo-se embora aos poucos. Do desejo de que todos os que estão vindo compreendam que nós vamos passando. Da existência de culturas diversas e do fundamental respeito entre elas. Dos trabalhos sociais em prol de todas as vidas, humanas ou não. Da literatura. Das antologias de que venho participando. Dos nossos desejos de que a humanidade seja sempre guiada por Deus.

Falamos sobre a sensibilidade como algo que nos salva. Vivemos para nós mesmos, mas antes de tudo para os outros. Se buscamos compreender a vida, compreensão impossível, começamos a ver o nada. Então nos salva dar sentido para a existência. Daí fazermos tudo para atingir essa meta.

Ponderamos sobre a finitude. Sim, somos finitos. Mas existe o infinito que nos alimenta. E no infinito temos fé. Nessa esperança do que não se vê (eis a definição paulina da fé), vamos seguindo nossas vidas adiante.

Nossa conversa passeia pela difícil senda das coisas estruturais da nossa sociedade, as coisas entaladas em nossas gargantas como espinho incômodo de peixe: as diferenças sociais, a pobreza, o racismo. E pensamos no frio e nas pessoas imersas nele sem proteção, na fome e nos estômagos vazios clamando por piedade. Mas nos acalentamos em referências a pequenas ações nossas e alheias que podem amainar as dores.

Envia-me, entre um áudio e o outro, a declamação de um poema do poeta Bráulio Bessa, feita pelo próprio autor, no qual se tecem reflexões sobre o exato sentido do Natal, sobre a necessária ação social que deve comboiar a oração. A partir do poeta cordelista, falamos do poder do sorriso e da alegria no meio da dor e da tristeza. E, num acordo de pensamento, reforçamos reciprocamente que pensar no mundo e no outro é contribuir para amenizar as agonias da existência. E fazendo tudo isso, estamos fazendo para nós mesmos, tanto neste plano quanto no que lhe é diverso. Cuidar duma planta é cuidar da beleza e do ar, é cuidar de nós que amamos a beleza, de nós que respiramos o ar. As sociedades precisam de consciência, de amor (caridade), de união, de respeito entre tudo e todos.

Quanto às antologias de que participei ao longo de 2020, digo-lhe em específico do livro Tempo partido 2020 – resgatando sentimentos de humanidade. Organizado pela escritora pernambucana Ivanilde Morais de Gusmão, esse tomo é uma antologia de que participo com muito amor. Eu lhe conto que já li todo o volume de 554 páginas e que gostei muito dele. Informo-lhe que a brochura enfeixa poemas, contos, crônicas, reflexões sobre a vida e a necessidade de a repensarmos. Enfim, textos com sentimentos humanos. O meu escrito, dentro do universo de 121 autores, é uma carta aberta para a humanidade, no desejo de que todos nos amemos, amemos o mundo e cuidemos dele.

Ao fim da conversa amena, entabulada a distância, solicito à minha amiga que ela continue caminhando, apesar dos pesares, pois assim está escrito no salmo 84, através do cântico dum peregrino alegre por encontrar-se nos átrios do templo de Jerusalém: “Bem-aventurados os que habitam em tua casa; / louvam-te perpetuamente. / [...] / Vão indo de força em força; / cada um deles aparece diante de Deus em Sião.”. Lindo e respirável isso! De força em força se caminha. E com os olhos de Deus em nós, vamos vendo a beleza da vida. Continuemos no nosso apego a Deus, que só assim tudo é vida e luz em meio aos sentimentos do nada.

Caminhos

13 de Dezembro de 2020, por Evaldo Balbino 0

Quase toda a minha família congregava numa igreja lá no Ribeirão de Cima. Nas noites de sábado e nas tardes de domingo.

De noite eu não via quase nada, porque não tinha luz elétrica no povoado. Não via com os olhos materiais.

Mas durante o dia sim. Meus olhos que a terra espreita eram sóis iluminando a vida. E viam muita coisa. Mato, bichos, gentes, córregos, morro pra subir e descer.

Havia dois caminhos pra irmos à igreja, isso se pensarmos em aberturas já feitas porhumanos, como estradas e trilhas. Querendo burlar essas duas sendas, era possível subir pelo pasto acima da nossa casa e atalhar um pouco.

Uma das passagens usuais era lá pra baixo, passando de fora das casas da tia Tuquinha, depois da Sá Bilica e da tia Fiinha. Mais além da estrada, ao lado do moinho coletivo da parentela, vinha a casa da Teresa do Roberto. E, por fim, subindo uma trilha perto da cachoeira do Tibúrcio, chegávamos por trás da igreja, passando acima da casa do irmão João.

A outra possibilidade era pela estrada de cima mesmo, a principal que ligava os três Ribeirões: o de Baixo, o do Meio e o de Cima. Nós morávamos no do Meio. Íamos subindo por essa carreira forrada de cascalhos, os pés escorregando neles, e ao lado uma cava sombria de dar gosto pra uma história qualquer de terror. Meus olhos subiam pela estrada iluminada, mas desejando medrosos pisar o chão da cava carrancuda. E os causos macabros sempre olhando meus passos, abraçando meu corpo de menino.

No caminho de baixo também tinha perigos, e muitos. Um deles foi num domingo bem certeiro. Minha mãe terminou atarantada de arrumar a cozinha do almoço, se arranjou com simplicidade e me levou junto dela. Meu pai não estava em casa, e meus irmãos curtiam a modorra duma tarde domingueira, sol a pino, calor de morte. Também pudera! Culto às duas horas da tarde neste Brasil dos trópicos, só Deus na causa mesmo! E como precisamos de Deus nesse dia, minha mãe e eu!

Sobre a porteira depois da casa da tia Fiinha, um cipó esverdeado e grosso jazia estirado. Minha mãe viu. Eu até então não tinha visto nada, pois meus olhos ouviam atentos e prazerosos a bulha da água descendo pro córrego da Sá Bilica. No exato momento em que as mãos de minha mãe foram abrir a porteira, o cipó se moveu. No susto, ela retrocedeu o corpo e me puxou consigo pelas mãos. O cipó era uma cobra grande tomando o sol da tarde. Incomodada com o nosso movimento, a serpente foi saindo pra horta da tia. E nessa saída de matrona que comera e não gostara, ela foi indo devagar, em câmera-lenta, sem pressa nenhuma. Isso, com certeza, era pra azucrinar a pressa de minha mãe, que tinha incomodado seu sono ofídico. Ofendida, custou-lhe nos dar caminho. Mas deu, mesmo que na lentidão.

Pela estrada descendo ao lado da cava, era bom apanhar alecrim-macho na volta da igreja. E aquele cheiro de verde, porque cor tem cheiro certo!Com esse alecrim a gente fazia uma touceira em torno da ponta de um pau, amarrava com embira e, num passe de mágica, produzia uma vassoura. E terreiro pra varrer era o que não faltava lá em casa. A vassoura de alecrim indo e vindo, a poeira se levantando, a sujeira sendo jogada pra qualquer banda ou juntada pra se jogar bem longe.

Na estrada de baixo que dava até na trilha perto da cachoeira do Tibúrcio, tinha o moinho. Mundo vasto onde eu triturava pedaços de vivências. E se contava que no debaixo da moenda, bem junto do rodízio, vivia uma assombração. Com o maquinário parado de noite, ou nas sombras estendidas de tardes silenciosas, vinha de lá um choro, um lamento, um balbucio sem consolo. Por causa desse fantasma, eu nunca que ia sozinho no moinho. Tinha que ser junto de um alguém adulto pra me proteger. Os medos são enormes e carecem de arrimo.

Na estrada de cima tinha o mata-burro, onde burro não passava, mas passavam gente e jipe. Inclusive um tal de jipe do farol azul que andava só de madrugada e que era na verdade outra assombração. Prova disso foi um tio meu que, estando a cavalo, encontrara numa antemanhã escura e nebulosa o tal do jipe, tentara desviar dele e não conseguira. Na iminência da batida, o seu susto de olhos abertos vira o carro de farol azulado passando por cima dele, atravessando cavalo e homem como se fossem ar. Olhando pra trás, o tio vira que lá ia o carro-fantasma seguindo seu caminho espectral. Resultado da cena: um homem todo urinado e um cavalo empacado no meio do caminho.

O menino que eu era e sou amava esses dois caminhos. Lá na igreja, o homem do púlpito só falava de céu ou de inferno. Coitado! Acho que ele não conhecia os meus caminhos tão ricos.

Irmã Terezinha

18 de Novembro de 2020, por Evaldo Balbino 0

Era irmã da tia Ana, casada esta com o Tiantônio. Tinha deficiência mental ou, como dizem alguns especialistas da área, tinha deficiência intelectual. Complicado esse troço de nomenclatura. Eu achava até há pouco tempo que o correto seria dizer “portador de necessidades especiais”. E todo o meu anseio é não negar a ninguém o papel de cidadão. Porque a inclusão de qualquer diferença se faz necessária, e isso em relação ao que as sociedades consideram, nos seus parâmetros, diferente do que seja “padrão”. Padronizar a vida pode ser perigoso, porque isso beira a uma postura, dependendo do caso, autoritária, centrista, excludente.

A primeira cena que trago da irmã Terezinha na memória é lá do Ribeirão de Santo Antônio. Na Boca da Mata, na casa da Tia Ana e do Tiantônio. Tia Ana tava adoentada. Tiantônio mandou chamar minha mãe. Ele tava no lugar de tio dela, pois quem era tia dela mesmo era a Maria, primeira mulher dele. Falecida a tia, minha mãe continuou considerando como tio o marido que contraíra novo matrimônio. Essa consideração era praxe na época.

Na Boca da Mata, Tiantônio tava atarantado no pomar apanhando frutas frescas pra ir vender na vila, Resende Costa. E isso ao invés de cuidar ele mesmo da tia Ana. Mandou chamar minha mãe pra ir com ela a Resende Costa e interná-la na Santa Casa de Misericórdia.

No quarto, tia Ana se arrumando frente ao espelho, penteando o longo cabelo, presilhas acalmando-o na cabeça. De pé rente à porta, minha mãe esperando com paciência. Eu ao lado dela, sempre. E ali era porque eu queria bater perna, ir pra Boca da Mata, menino sem nada que fazer. Dali partia uma estrada que se chamava na época Morro do Quebra-panela e ia dar nas casas do Tibastião e da Tiazinha, esposa do Tizé, esse sim irmão da minha mãe. Meu desejo era saber o porquê do nome Morro do Quebra-panela, uma curiosidade de ver panelas quebradas rolando morro abaixo e fazendo um fuzuê danado. Mas nunca via nada disso.

Pra completar a cena do quarto, sentada na cama de casal, tava Irmã Terezinha (Na igreja dos meus pais, todos se chamam de irmãos, mesmo quando meio enviesados uns com os outros.). Terezinha tava emburrada, falando “Não vou porque não vou!” repetidas vezes. Xingando com sua voz fanhosa, meio sufocada, porque conversava como que dizendo pra dentro o que tinha que dizer pra fora. E revirava os olhos, e fazia uma cara de quem queria silêncio e dizer tudo silenciosamente. Mesmo falando pra dentro com seus lábios finos e quase fechados, era claro o que ela queria. Batia o pé, pois não queria ir pra vila. E não queria porque a tia Ana iria, lá da vila, despachá-la no ônibus pra São João del-Rei, lá onde elas tinham outra irmã que a esperaria e cuidaria dela. No Ribeirão ela tava dando trabalho pra doente tia Ana.

Tive, depois, que ficar com a minha curiosidade menina. Não acompanhei a peripécia em Resende Costa. Mas depois que minha mãe voltou, fiquei sabendo de alguns fatos contados a adultos. E o meu ouvido menino escutando tudo.

Na vila, a tia Ana já internada, o Tiantônio vendendo suas frutas pra outras bandas, e minha mãe com a árdua tarefa de pôr Terezinha no ônibus pra São João del-Rei. Os passageiros ainda esperando do lado de fora o motor em funcionamento pra esquentar e dar a partida. Perto do ônibus, o caminhão de leite do mesmo jeito, o que iria pro Ribeirão. E minha mãe preocupada de o caminhão sair antes do ônibus, pois ela voltaria pra roça.

A emburrada Terezinha, sem aviso prévio e sem nada, entrou num bar, pediu um doce ao caixeiro e saiu dizendo que não iria pagar, mas que Deus lhe pagaria. O homem ficou sem saber o que fazer. Minha mãe, envergonhada, foi ao vendedor e lhe pagou o doce, pedindo desculpa.

Já no ônibus partindo, Terezinha foi bufando pela janela e chamando minha mãe de “Irmã ingrata!”. Todos ali sabiam da situação e entendiam bem o que ocorria. Minha mãe entrou no caminhão e voltou pra junto de nós.

Anos depois, nós já morando em Resende Costa, Terezinha foi lá em casa fazer uma visita. Nem se lembrava mais do “Irmã ingrata!”. Bebeu café, comeu biscoito, falou muito pra dentro. E de repente deu uma das crises que lhe eram costumeiras. Caiu, começou a babar, a virar os olhos. Minha mãe a segurou e pediu que eu buscasse socorro. A Tialorde e o Tibastião, também já residentes na vila, vieram. Terezinha se recuperou, graças a Deus!

Nunca mais a vi. Hoje ela mora em outro plano, com sua fala pra dentro, seus gestos contidos e sua doçura e raiva sempre doce.

Vô Chico Cota

11 de Outubro de 2020, por Evaldo Balbino 2

Gostava de uma sanfona, e com ela às costas ia a bailes em noites animadas. Cruzava os escuros do Ribeirão de Santo Antônio; seus olhos, porém, brilhavam pensando nas músicas tocadas, nas danças eróticas de cavalheiros e damas. E eram nos terreiros das casas essas festas. Comida, bebida e pés levantando poeira do chão.

Com sua sanfona, gostava de tirar Folia de Reis. Em cada início de janeiro, a lembrança do Menino Deus fazia os foliões saírem pelas estradas do povoado e adentrarem casas que os recebiam de janelas, portas e braços abertos. Vô Chico era um dos magos do Oriente, como a peregrinar atrás da Estrela Guia desde sempre eterna e anunciadora dum grande sentimento humano: o perdão. Os magos saíam logo ao anoitecer e iam andando de porta em porta pedindo pousada. Todos eram pândegos e religiosos, num sentimento sacro e carnavalesco. Quantidade boa de músicos e instrumentos vários, entre os quais tambor, clarineta, viola, reque-reque, pandeiro e sanfona. Chico Cota era sempre o certo sanfoneiro, como acertadas tinham sido as profecias dos profetas falando do Salvador dos povos. Na frente do bando seguia um mascarado, o Bastião, que brandia uma varinha enfeitada de fitas. No limiar de cada porta que visitavam, música alta se tocava para aleluia e fuzuê da vida.

Era namorador o vô Chico. Sua esposa, a vó Laurinda, partira cedo aos 38 anos. Tempos depois ele entrara de namoro com uma viúva dali mesmo, com quem depois se casara. Casado com ela ficou até a morte, mas os olhos não têm cerca e pulam os tapumes que nem boi ladrão. Os dele pulavam tanto, que nas Folias de Reis de todos os anos não suportavam a tanta alegria de ver a Nhá Rosa vestida de cigana do Egito. Ela andava no meio da folia segurando o estandarte da Sagrada Família e a imagem do Menino Jesus. Pastorinha guiando a vida, Rosa usava longas tranças pretas. Postiças, porém verdadeiras como dogmas perante todos. O adereço preso nos cabelos curtos era de folha de piteira. Ainda moça, Rosa cortara a folha dum pé próximo da sua casa, e numa bica d’água lavara as fibras até que ficassem branquinhas. Depois, pusera os filamentos e tinta preta numa panela com água e fervera tudo. As fibras já secas foram trançadas e desde então passaram a enfeitar sua cabeça e rosto, brilhantes e rematadas com fitas vermelhas. Os olhos do Vô ficavam tontos do vermelho das fitas nas tranças de Nhá Rosa.

Em cada lugar, as pastorinhas entoavam “Dona desta casa, / venha nos abrir a porta...”, e Rosa cantava sua parte: “Sou cigana do Egito / nas montanhas de Belém. / Vim tirar a minha esmola; / cada um dai o que tem!”. Os foliões, repentistas, improvisavam versos a partir de temas bíblicos. Quando os donos da casa gostavam dos cantos, escondiam o donativo para segurar ali a folia. Os religiosos histriões só iam embora depois de achar o dinheiro. Esmola dada, agradecimento feito: “Deus vos pague a vossa esmola / dada de boa vontade. / Lá no céu tereis o pago / da Santíssima Trindade.”. O óbolo, nesse grupo, era destinado a São Sebastião; contudo, ia na verdade para a Igreja.

O Vô também pescava, e muito. Arrancava as minhocas, preparava o anzol, os embornais impermeáveis com a água onde punha os peixes retirados dos rios. A pesca lhe era um ritual sagrado, não só porque lembrava o Salvador na Galileia, mas também porque tudo aquilo era diversão certeira. A água silenciosa e os pescadores também para não haver espantos. A linha puxando, as rabanadas no ar, e o tempo sendo atravessado de júbilo.

Quando mais jovem, Vô Chico deixara os filhos meio a esmo, eles cuidando uns dos outros. Principalmente quando, tendo brigado com a segunda esposa, esta se fora para sua antiga casa e ele seguira atrás, não contando com os filhos ainda novos. Minha mãe, nessa época, tinha tão-só 8 anos de idade. A depois, porém, o juízo tomou conta dele. Amor mais demonstrado aos filhos, madureza.

Quando meu pai começou o namoro com minha mãe, vô Chico aproveitava que o jovem sabia ler e se interpunha entre os dois namorados no banco da sala, à luz da lamparina, e pedia ao futuro genro que lhe ensinasse o abc. E sua alfabetização, feita pelo moço enamorado, deu-se através duma História Sagrada de que meu vô não se separava.

Hoje sei que sagrada também é toda essa história do vô e dos que com ele conviveram.