Contemplando as Palavras

Sob o disfarce de elogio

17 de Marco de 2020, por Regina Coelho 0

o machismo é uma forma de preconceito. Expresso por opiniões e atitudes, ele se opõe à igualdade de direitos entre os gêneros, sobrepondo o gênero masculino ao feminino. Na prática, ser machista implica relegar a mulher a uma posição secundária na sociedade, conduta determinada pela crença em uma infundada superioridade masculina. Sabe-se que o pensamento machista é cultural, tendo sido normatizado por muito tempo, mas há algumas décadas esse comportamento vem sendo combatido, especialmente pelos movimentos feministas, que atuam contra essa situação de desigualdade de direitos, em todos os seus sentidos, problema que ainda hoje atinge as mulheres em muitas partes do mundo.

No dia a dia, além do machismo explícito existente nas relações domésticas e de trabalho, há aquele velado, subentendido, escondido em comentários aparentemente sem importância que, direcionados à figura feminina, têm como propósito deixá-la inferiorizada. Tal postura caracteriza o que chamam de negging. Na verdade, trata-se de uma “estratégia de sedução” em que o homem ofende a mulher para desarmá-la. Ao lidar com a competição diante de mulheres bonitas – e que na teoria sabem disso –, o sedutor faz à pessoa-alvo de sua cantada uma crítica disfarçada de elogio para que ela fique atraída por ele, que aparenta não dar atenção à aparência dela, tentando rebaixá-la. No fundo, isso não deixa de ser um modo de ferir a autoestima de uma mulher e fazê-la acreditar que precisa da aprovação dele para ser feliz e se sentir amada.

Um tipo de negging muito comum pode ser encontrado nos comentários que sugerem que a pessoa deve mudar. Pode ser qualquer coisa: do corpo, do estilo de vida dela ou do seu grupo de amigos. De outra forma, há as frases ditas em tom de brincadeira, de zoeira, só que não são. Juntam-se a isso certos “elogios” que não passam de textos sexistas ou racistas, culturalmente ofensivos. A título de ilustração dessa prática, vejamos a lista abaixo:

  • Seus cabelos são bonitos, é aplique? 2- Seus cabelos são bonitos, mas acho que você precisa hidratá-los. 3- Seus seios são de silicone? 4- Você não é tão bonita, mas tudo bem. 5- Você tem pés bonitos, pena que são tão grandes. 6-Você sempre usa tanto batom que não tenho vontade de te beijar. 7- Você poderia ser modelo se fosse mais magra ou mais alta. 8- Acho que não dá pra te reconhecer se te encontrar sem maquiagem. 9- Seu rosto é tão lindo! Imagina quando ficar mais magra e sarada! Vai ficar top! 10- Você nem parece muito com as fotos que vi de você. 11- Por que você pinta seu cabelo de vermelho? Eu gosto tanto do seu cabelo natural! 12- Você é muito bonita. Não achei que seria inteligente. 13- Nossa! Seu nariz mexe quando você ri. Que bonitinho! (com voz irônica) 14- Gostei dessa sua blusa. Parece que te deixa mais magra. 15- Eu estou realmente começando a gostar de você, mas é uma pena que você não seja o meu tipo. 16- Você é tão bonita, mas se alisasse o cabelo ficaria mais linda ainda.

Esses exemplos são uma amostra do vasto repertório usado por quem quer atingir a autoconfiança de mulheres que muitas vezes demoram a perceber os sinais do negging, um jogo barato de sedução seguida por uma desqualificação, semelhante ao famoso “morde e assopra”; nesse caso, quase sempre “morde depois”. Segundo especialistas da psicologia, isso pode ser o indício de uma futura relação abusiva.

Independentemente do tipo de relacionamento (amoroso, de trabalho, de amizade) em que esses comentários são feitos, vale lembrar a necessidade de que as pessoas exercitem a empatia e o cuidado com o outro, colocando-se no lugar dele.

E você, amiga, se tiver a infelicidade de ouvir daquele cara de quem “você fala muito” e ele lhe perguntar “onde é o seu botão do off?”, fazendo-se de engraçadinho, dê você um off nele. E se for o caso de ele lhe perguntar, antes de sair com você, “como é que a gente vai disfarçar a sua beleza hoje?”, nem disfarce e pule fora dessa!

E que bom que nem todos os homens são iguais!

Três vidas em plenitude

19 de Fevereiro de 2020, por Regina Coelho 0

Maria do Carmo mora em uma chácara no interior paulista. Mesmo beirando os 88 anos, leva uma vida ativa e nunca permitiu que a idade a impedisse de fazer qualquer coisa. Quando estava próxima de completar os 70, tirou carteira de habilitação, formou-se no Ensino Médio e aprendeu a tocar violão. Depois de sofrer algumas quedas enquanto ia visitar os filhos, que possuem sítios vizinhos, por recomendação médica ela teve que deixar de lado tanta agitação. Mas a vontade de retomar suas atividades era grande. Então Maria acionou a neta Thatiana com o seguinte pedido: “Conversa com seu pai e seus tios para eu poder ir à horta, nem que seja só para colher as mandiocas que plantei”. E assim foi. E mais. Fez também um dos filhos adaptar a horta para uma altura tal que agora ela não precisa se abaixar nos momentos em que cuida da plantação. E a neta ainda conta que, como a avó não gosta muito de tecnologia, um outro filho fez de uma caixa d’água no quintal da casa da família um lugar para que a mãe pudesse pescar e se divertir. A ideia foi um sucesso tão garantido que, depois de ter fisgado cinco peixes num só dia e, empolgada com a sexta próxima “vítima”, ela puxou o anzol com tanta força que caiu sentada. Felizmente, nada sério.

(Texto adaptado do R7 – Notícias boas – 14/1/2020).

 

Da mesma forma, Filomena Andrade é uma mulher cheia de disposição. E de compromisso também. A julgar por suas andanças pela cidade, Memena (como a chamo carinhosamente) é pura autossuficiência. Seja fazendo compras de supermercado ou atividades físicas com o grupo da Terceira Idade, seja participando de ensaios e apresentações do Coral Mater Dei ou visitando os mais chegados, ela é, de fato, uma pessoa incrível. Diante de seus recém-completados 90 anos, está em seus planos chegar aos 100. E condições para isso não lhe faltam, ainda que tenha passado por alguns problemas sérios de saúde. Sei de sua antiga paixão pelo vôlei dos tempos de jogadora (junto com minha mãe, minhas tias e outras moças) nas décadas de 1940/1950. Memena tem ainda o nome marcado na história do teatro amador de Resende Costa, nessa mesma época, com atuação em muitas peças. Há poucos anos ela se destacou numa performance idealizada por algumas alunas da E. E. Assis Resende como trabalho escolar. Em vídeo inspirado num clipe de Clarice Falcão (cantora) tendo como trilha sonora de fundo a música Survivor (Sobrevivente), mulheres de diferentes idades e vivências revelam força e resistência com gestos de encorajamento às demandas femininas. Conectada com a proposta defendida pelo grupo ali formado, Filomena simplesmente arrasou.

Padre espanhol naturalizado brasileiro, Dom Pedro Casaldáliga é bispo emérito da Prelazia de São Félix do Araguaia (MT), município escondido no interior brasileiro de onde emergiu nacionalmente a figura corajosa daquele que ainda hoje de lá não arreda pé. Acometido há algum tempo pelo Mal de Parkinson, chamado por ele de “irmão Parkinson”, Pedro, como gosta que o tratem, é um homem de muita luta. “Sempre pela defesa de um progresso que não mate índios, que não destrua a natureza, que preserve a vida, que não escravize o ser humano”, resume Ana Helena Tavares, sua primeira biógrafa brasileira, explicando as causas abraçadas por seu biografado. Dom Pedro já foi alvo de inúmeras ameaças de morte por contrariar certos interesses escusos e por cinco vezes, durante a ditadura militar, enfrentou processos de expulsão do Brasil. Como se não bastasse toda dedicação de pastor aos mais desvalidos, o bispo do povo (ou bispo “vermelho”, para seus desafetos) é poeta e autor de várias obras sobre antropologia, sociologia e ecologia.

Maria, que não conheço, não se entrega. Conta com o tratamento amoroso da família. Memena conheço desde sempre. É mãezona de seis, entre eles, da Ré, minha amiga xará. Conheço Dom Pedro, que completa 92 anos neste 16 de fevereiro, por acompanhar seus feitos de longe. Chegados à maturidade plena, os três são donos de admiráveis histórias de vida.

Medo de quê?

21 de Janeiro de 2020, por Regina Coelho 0

o medo é um sentimento inerente ao ser humano. Em maior ou menor grau, é natural e compreensível sentir medo diante de muita coisa: da perda por morte ou afastamento de alguém querido, da própria morte, da velhice, da solidão, das doenças, da violência, do desemprego... O medo também traz em si algo de autodefensivo porque funciona como o reconhecimento de limites físicos e psicológicos, impedindo que a gente se arrisque excessivamente. Ainda que isso varie de indivíduo para indivíduo, é senso comum dizer que a virtude está no centro. Melhor é não desafiar todos os nossos medos, ao mesmo tempo, não permitir que aqueles que atrapalham nossa vida nos paralisem, impedindo-nos de viver boas situações e alcançar objetivos planejados.

Certos tipos de medo são específicos. Por exemplo, aquele que acomete os que não viajam de avião de jeito nenhum. Ou, quando são obrigados a isso, saem do ar, praticamente dopados, e não veem a viagem passar. Um outro tipo atinge os que não dão conta de dirigir um carro, mesmo tendo passado por essa experiência antes (só Deus sabe como!) e até conseguido carteira de habilitação. Daí sair dirigindo por aí, com tanto carro nas ruas, perigo de acidente... A pessoa trava. Falar em público costuma ser um pesadelo para muitos, com suadeira nas mãos (onde colocá-las nessa hora?), voz trêmula e rosto pegando fogo. Encarar um elevador é sinônimo de falta de ar e desespero total para outros. E se aquilo cai ou para no meio do trajeto? Ou o problema pode estar ao ar livre, nas alturas, e vem aquela vertigem toda. Olhar para baixo, nem pensar!

Fobia, radical de origem grega – 1- Designação comum às diversas espécies de medo mórbido. 2- Horror instintivo a alguma coisa, aversão irreprimível (Dicionário Aurélio). Eis aí o que sente boa parcela da população diante dessas e de outras situações do dia a dia. Entre os famosos, como quaisquer criaturas sujeitas a essa espécie de vulnerabilidade humana, algumas fobias são de conhecimento público. Madonna já revelou que sofre de astrofobia, isto é, medo de raios e trovões, tendo até ataques de pânico em dias de tempestade. O ator Keanu Reeves encara todos os vilões e perigos do cinema, mas é incapaz de entrar em um lugar escuro. Ele tem nictofobia. Sofrem do mesmo mal as cantoras Anitta e Kate Perry. Já Johnny Depp admite que fica apavorado tendo um palhaço por perto. O que esse ator tem se chama coulrofobia e, como se vê, uma fobia extensiva a adultos. A maquiagem exagerada dos palhaços parece funcionar como um disfarce que mistura um sorriso forçado com intenções ocultas. É o que andei lendo sobre o assunto. De outra natureza é o medo exacerbado que o ex-jogador de futebol inglês David Beckham, a atriz Renata Sorrah e a também atriz Scarlet Johansson têm de pássaros, ou seja, a ornitofobia. No caso da atriz Nicole Kidman, o pavor que a acompanha desde criança, quando ainda vivia na Austrália, tem o nome de motefobia, que é o medo de borboletas.

São relativamente comuns a acrofobia (medo de lugares elevados), a agorafobia (de lugares públicos e grandes espaços abertos) e a claustrofobia (de lugares fechados e apertados), as duas últimas modalidades, curiosamente opostas. Nos três casos, a sensação deve ser pior do que simplesmente ficar sem lugar.

Por tudo que passo quando se aproxima de mim um cachorro, devo ter cinofobia, o que muitas vezes é considerado uma “bobagem” ou “frescura”. Sou muito grata ao Tião Melo, então meu colega de trabalho e vice-diretor da E.E. Assis Resende, por ter entendido minha aflição diante de um “inimigo” que, certa noite, achando aberto o portão da escola, veio correndo justamente em minha direção. Ao me dizer que o medo que eu sinto deve ser o mesmo que ele tem de dentista (odontofobia), o Tião me fez um bem enorme.

Não se deve tratar com deboche o medo alheio. Muito menos achar engraçada ou estranha a reação das pessoas perante esse sentimento negativo. Desafiar incômodos e desconfortos não é tarefa fácil. Submetê-los a análise ajuda a desvendar fantasmas que nos apavoram. Para tanto é preciso coragem.

Chega de falar em medo! Em 2020 coragem a todos!

Nos embalos do Natal

18 de Dezembro de 2019, por Regina Coelho 0

muitos lamentam o fato de que a tevê, pelo menos por enquanto, não é capaz de transmitir o aroma das gostosuras anunciadas nas propagandas e dos pratos preparados diante das câmeras nos inúmeros quadros ou programas inteiros dedicados à gastronomia, tendência em alta hoje no país. Sabendo que os sentidos se complementam, isso é mais ou menos como ver uma música cifrada no papel ou apresentada somente em palavras.

Pensei nisso ao me lembrar das tradicionais canções de Natal, interessada em falar das letras que elas têm e que ganham mais beleza através dos sons que embalam toda temporada natalina, e que vocês certamente reconhecerão aqui. É bom esclarecer que a grande produção de músicas natalinas no Brasil se deu entre os anos 30 e 60 com a explosão da nossa indústria fonográfica.

Relembrando algumas delas. Composta em 1932 por Assis Valente e gravada no ano seguinte por Carlos Galhardo, com arranjo de Pixinguinha, Boas Festas (ou Anoiteceu) é uma marchinha de versos tristes e realistas. Apenas um trecho: “Eu pensei que todo mundo/ fosse filho de Papai Noel./ Bem assim felicidade. / Eu pensei que fosse uma brincadeira de papel. / Já faz tempo que eu pedi, / mas o meu Papai Noel não vem. / Com certeza já morreu. / Ou então felicidade / é brinquedo que não tem.” De maneira oposta, em O velhinho, de Octavio Babo Filho (primo de Lamartine Babo), a visão do autor apresenta um certo traço de alienação social ao retratar um Papai Noel sempre justo. Para ele, “Como é que Papai Noel não se esquece de ninguém. / Seja rico ou seja pobre, / o velhinho sempre vem.” Completando o trio, o destaque fica para Natal das crianças. Com mais de 40 regravações, é um clássico do compositor e cantor Blecaute, com uma bonita proposta de harmonia coletiva. “Natal, Natal das crianças. / Natal da noite de luz. / Natal da estrela-guia. / Natal do Menino Jesus. / Blim, blão, blim, blão./ Bate o sino da Matriz. / Papai, Mamãe rezando. / Para o mundo ser feliz...”

Em se tratando do repertório internacional, três músicas são imbatíveis em versões livres para o português. Uma delas é Jingle Bells (Bate o sino), que rivaliza com o próprio Papai Noel no quesito popularidade. A outra é Stille Nacht – (em alemão, Noite Silenciosa, com adaptação do título em português para Noite Feliz), em versão brasileira de 1912. Considerada pela Unesco em 2011 Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, essa canção é puro encantamento, especialmente para a noite do dia 24. De cunho religioso, ambas anunciam o nascimento de Jesus em versos singelos que enaltecem a paz e a simplicidade. A terceira é Happy Xmas (War is over), lançada em 1971, originalmente uma canção de protesto contra a Guerra no Vietnã, e imortalizada por John Lennon. União entre as pessoas e esperança no que virá são propostas presentes nessa bela música, que ganhou uma versão bem-sucedida da cantora Simone em 1995.

Nesta época repleta de cores e luzes, de sons melodiosos e vozes cantantes, quando beijos, abraços e apertos de mão são trocados com votos de felicidade, que haja verdadeiramente o sentido do bem em nossos gestos. E, diferentemente do lamento banal diante das imagens da tevê que mostram o que não pode ser captado pelo cheiro nem experimentado pelo paladar, que haja a alegria possível diante da mesa posta para a celebração do bom Natal.

 

TURMA DAS LULUZINHAS – Fechando as comemorações de seus 15 anos de existência, a Turma das Luluzinhas, um grupo de Resende Costa (do qual participo) formado por mulheres ligadas pela amizade e pelo prazer dos bons encontros, promoveu um almoço beneficente no último 10/11 com renda destinada ao Hospital N.S. do Rosário e ao Lar São Camilo.

Naquele dia, não tivemos somente mais uma de nossas tantas reuniões. Na companhia de familiares, amigos e demais pessoas que compareceram ao Barril Bar, e aliando diversão e trabalho, praticamos nossa melhor forma de ser. E não há nada de extraordinário no que foi feito. Muitos fazem, fazem muito. Que assim seja!

Ainda hoje infeliz realidade

12 de Novembro de 2019, por Regina Coelho 0

viajei pela primeira vez para Porto de Galinhas (PE) há muito tempo. Estive lá novamente há três anos, quando ouvi de um guia local a explicação esquecida sobre o nome do lugar. O que contam é que antigamente Porto de Galinhas era conhecida como Porto Rico devido à farta extração de pau-brasil na região. Em 1850, a Lei 581 (Lei Eusébio de Queirós) tornou proibido o comércio escravista no país, mas os escravos continuaram a chegar para serem vendidos, contrabandeados. E tão logo atracava no porto pernambucano o navio em que eram trazidos, escondidos debaixo de inúmeras galinhas d’angola, comerciantes das redondezas anunciavam a “carga” com uma senha secreta: “Tem galinha nova no Porto!”. Essa lembrança me veio agora ao saber que outro famoso paraíso natural também tem seu nome ligado à história da escravidão no país. Segundo o jornalista Laurentino Gomes, coube a Fernando de Noronha, um cristão-novo, (judeu recém-convertido ao cristianismo) “inaugurar o tráfico de escravos no Brasil. Em 1511, ou seja, apenas uma década após a chegada da esquadra de Pedro Álvares Cabral à Bahia, a nau Bretoa, de propriedade do florentino Bartolomeu Marchianni e de Fernando de Noronha, atracou em Portugal com uma carga de papagaios, peles de onça-pintada, toras de pau-brasil e 35 índios cativos”.

Essa informação consta do livro “Escravidão” – vol. 1 – a nova trilogia de Laurentino – que cobre o período que vai do primeiro leilão de escravos africanos realizado em Portugal, no dia 8/8/1444, até a morte de Zumbi, o líder do Quilombo dos Palmares, em 20/11/1695. Lançada em agosto deste ano na Bienal do Rio, a obra, uma verdadeira empreitada, custou ao jornalista uma extensa pesquisa (leu por volta de 200 livros) e anos de viagens por 12 países, 8 deles em território africano.

Falando de escravidão, essa prática muito antiga em todas as culturas, um fato é inquestionável: os homens cativos vistos como mercadoria, reduzidos à condição de bens semoventes, como os animais, podendo ser vendidos, alugados ou dados como pagamento de dívidas. No capítulo Documentos históricos do seu Memórias do antigo arraial de Nossa Senhora da Penha de França da Lage..., o resende-costense Juca Chaves faz a transcrição de alguns testamentos. No de Francisca Cândida Resende há uma referência especial a duas escravas – Rizulia e Maria Delfina – dadas respectivamente à Maria e à Francisca, netas de Francisca. Eis aí apenas um pequeno e doméstico exemplo do que se vivia naqueles tempos.

Uma outra questão que o tema suscita é o racismo, definido como crime no Brasil desde 1989. À afirmativa de que a escravidão é um fenômeno presente no curso da própria humanidade, o já citado Laurentino Gomes menciona em seus últimos escritos os milhões de seres humanos cativos. Eles “provinham de todas as regiões, raças, linhagens étnicas, incluindo eslavos (designação que originou a palavra “escravo”) de olhos azuis das regiões do Mar Báltico”, revela ele. Nessa última condição, os escravos eram pessoas brancas. A escravidão na América provocou o “nascimento de uma ideologia racista, que passou a associar a cor da pele à condição de escravo”, esclarece. Na verdade, três séculos e meio de escravidão brasileira deixaram como herança o racismo, ainda hoje forte, camuflado ou escancarado, mas sempre vergonhoso e abominável. Como tal, é um mal a ser combatido, aqui ou onde quer que seja.

Recentemente, em partida de futebol realizada na Bulgária entre a seleção do país e a inglesa, torcedores búlgaros foram vistos imitando sons de macaco, fazendo saudações nazistas e entoando cânticos racistas para os atletas negros da Inglaterra. Nas imagens que circularam por toda parte, jovens bonitos e saudáveis aparecem juntos e uniformizados, como numa ação orquestrada. Uns sorriem. Alguns cobrem parte do rosto com o capuz. Na inscrição de deboche que se lê nas camisas que seguram, “Sem respeito”, uma alusão à campanha “Respeito”, da Uefa, contra o racismo no esporte, eles dizem tudo, autodefinindo-se. Sem comentários!

Lá ou cá, é inaceitável toda forma de racismo.