O Verso e o Controverso

“Os Fios de Ícaro”: um testemunho

10 de Agosto de 2017, por João Magalhães 0

Evaldo Balbino, amigo e colega do jornal, falou-me, tempo atrás, que concorrera ao prêmio Saraiva com um romance. Havia ficado em 3º lugar e por isso a editora o publicaria.  Criou-se em mim uma grande expectativa, já que acompanhava com muita apreciação sua poesia, de modo particular seu primeiro livro de poemas: “Moinho”.

Ausente na noite de autógrafos em Resende Costa, 28/11/2015, só posteriormente recebi o livro. Agradou-me a edição, o título “Fios de Ícaro”, a ilustração e foto da capa. E muito, o texto da orelha e contracapa.

Num meneio de olhar, vi o sumário: Parte 1- “Bailando sob as luzes...” Parte 2 – “Dos dois lados do Atlântico”. 40 capítulos curtos, todos intitulados. E aqui vai um elogio. Evaldo é um especialista em títulos. Alguns com um tanto de poesia, por exemplo: “De igrejas e de serpentes...Sob luzes acesas” (10); “Toda ovelha sabe balir” (25); “Missivas: à procura do amor” (34); Máscaras diante de mim” (36); “Lábios de mim” (40).

Depois li as três epígrafes, encaminhando o leitor pelos veios principais da narrativa. A do livro: “Ariadne e Minotauro, dois fios tecendo um homem” de Fernando Paixão. A da parte I: “Acordei, reuni pedaços de pessoas e de coisas, pedaços de mim mesmo que boiavam no passado confuso, articulei tudo, criei o meu pequeno mundo incongruente” de “Infância” do grande Graciliano Ramos. A da parte II de “Dom Casmurro”: “Apalpei-lhe os braços, como se fossem os de Sancha. Custa-me esta confissão, mas não posso suprimi-la; era jarretar [amputar, decepar] a verdade. Nem só os apalpei com essa ideia, mas ainda senti outra cousa; achei-os mais grossos e fortes que os meus, e tive-lhes inveja; acresce que sabiam nadar”.

Ao ler o capítulo inicial – “O tempo escrito...[para mim não foi tempo escrito. Foi tempo dolorosamente vivido] Aquele ano de 1978” -  percebi que não estava numa fase apropriada para a leitura, pois exigiria de mim uma abordagem a conta gotas, detalhada, anotando as repercussões em mim. Por isso, só agora li o romance e partilho com o leitor minha apreciação.

E o faço por dois motivos: a qualidade literária e a homenagem que Evaldo faz a nossa cidade natal, Resende Costa, no romance com o nome de Conjurados, transformando numa bela ficção os locais, as lendas, os costumes, sua história e estórias.  Enfim, suas paisagens geográficas (Povoado do Ribeirão, barranco da vargem), culturais (assombrações, luz da pedra, buraco do inferno) e humanas.

Evaldo é um excelente arquiteto/pintor com a palavra. Com vocábulos moldados em substantivos, verbos, adjetivos, advérbios, ora cinzelados e encaixados, ora com a argamassa dos conectivos, ergue um imenso condomínio literário em curto espaço, 240 páginas – o ato de escrever, a palavra como construtora de mundos - onde acontecem nas “ruas e avenidas” conflitivos fatos políticos, religiosos e da vida em conjunto, como os acontecimentos de 1978, o suicídio coletivo induzido pelo fanatismo de Jim Jones, o atropelamento, que faz lembrar João Bosco e Aldir Blanc: “Tá lá um corpo estendido no chão” etc.

Nas “casas” e “povoados”, pensamentos vivenciais, reflexões beirando o filosófico e o psicológico, detalhes recordativos, sofrimentos de amor não correspondido, conflitos homoafetivos e muito mais, como a personagem-narrador, tentando sair do “cale-se” (Chico Buarque: “Cálice”) que a vida e a ditadura lhe impõem.

Pelo que tenho visto, é frequente agora trabalhar o cotidiano, o histórico pessoal, as vivências do escritor como ficção. Caso, por exemplo, de João Anzanello Carrascoza (“Aos 7 e aos 40”), Joca Terron (“Noite dentro da noite”), Veronica Stigger (“Sul”). Quanto ao Evaldo, não há dúvida e o efeito foi muito bom.

 O próprio Terron diz: “Atualmente o gênero biográfico é uma extensão do romance naturalista do século 19, onde vidas têm começo, meio e fim. Ao contrário, o autobiográfico é pura ficção não realista pois busca a verdade pelo caminho da autoinvenção”. No caso de “Os fios de Ícaro” se não for autobiográfico, é no mínimo autorreferencial. O leitor logo perceberá que o personagem-narrador é um alterego do autor.

A Despedida de um grande humanista

13 de Julho de 2017, por João Magalhães 2

Despediu-se de nós, maio agora, dia 12, Antonio Candido de Mello e Souza , 98 anos.

Desde o momento em que comecei a meditar sobre o sentido da vida e a responsabilidade que temos de cuidar dela, pois até agora somos os únicos capazes disso, aderi ao Humanismo, bem definido por Terêncio (190-159 a.C) em célebre verso: “Sou Ser Humano e nada do que é humano me pode ser indiferente” (“Homo sum, et humani nihil a me alienum puto”).

Sou “devoto” de alguns grandes humanistas brasileiros, tal a significância que tiveram para mim: Sobral Pinto, Dom Paulo Evaristo Arns (já escrevi sobre eles), Alceu Amoroso Lima (Tristão de Ataíde), a quem ainda devo um testemunho, Antônio Candido.

Antônio Candido nasceu no Rio de Janeiro em 1918. Passou a infância e adolescência em cidades interioranas de Minas Gerais, mas foi em São Paulo que se formou e exerceu suas atividades.

Iniciou cursando paralelamente Ciências Sociais e Direito na USP. Abandonou o Direito no 5º ano e concluiu Ciências Sociais em 1942.  Embora sociólogo de graduação, com doutoramento em 1954 (que virou livro famoso: Os Parceiros do Rio Bonito), é como professor de Literatura Brasileira da USP que se projetou no cenário cultural do país.  

Meu primeiro contato com ele, foi ao ler sua obra, fundamental para o ensino da Literatura Brasileira: Formação da Literatura Brasileira, de 1959.

E assim, às vezes participando, quase sempre apoiando, fui seguindo, na expressão de Walnice Galvão, “os caminhos de um grande homem das letras e da justiça”. Entre tantos:  atuação como membro da Comissão de Justiça e Paz, criada por Dom Paulo Evaristo Arns; criação do famoso Suplemento Cultural do Estadão; empenho para resolver a “guerra” entre os estudantes da Maria Antônia (USP) e da  Makenzie;  fundação do PT; colaboração com o jornal Opinião e a direção da revista Argumento, (1973-1974) proibida pela ditadura no 4º número; luta pela anistia, pela reintegração dos cassados, pela redemocratização; criação da Associação dos Docentes da USP e muito mais.

Os numerosos artigos, comentários e pronunciamentos por ocasião de sua morte, confirmam, em sua maioria, o que ficou marcado em mim e muito realçado num bate-papo com ele, aberto ao público, num auditório do SESC em São Paulo. Faz muito tempo. Era uma data comemorativa da vida dele. Lembro-me que conversei também com a Lygia Fagundes Telles. Foram aproximadamente umas 4 horas de conversa.

Escolhi alguns testemunhos de intelectuais e figuras públicas que conviveram com Antônio Candido, que confirmam a importância dele enquanto humanista, professor e intelectual.

“Um intelectual de grande alcance de pensamento e fina erudição, mas com clareza de escrita, isenta de posições dogmáticas e jargão profissional” (Walnice Galvão). “Um intelectual que gostava de criar espaços de cultura” (Augusto Massi), que em palestra, “O Direito à Literatura, fundamenta o direito à fruição generalizada da criação artística como um bem incompressível por ser uma necessidade básica” (Celso Lafer). “Um crítico engajado não só porque militou, com coragem, na vida política, mas também porque encarava a literatura como um instrumento de interrogação da realidade” (José Castello). “Aberto aos jovens autores” (Raimundo Carrero). “Foi nosso melhor crítico literário, um sociólogo com uma visão inédita e brilhante do Brasil e um homem coerente até o fim que protagonizou como ninguém a conturbada história da relação do intelectual brasileiro com a política. Foi um humanista antes de qualquer outro título” (Luiz F. Veríssimo).

“Um exemplo de vida modelarmente ética. Figura rara. Manteve sua postura digna, limpa. Um exemplo para o ensino e a memória nacional” (Affonso R.de Sant’Anna). “Exemplo de uma vida modelarmente ética. Exemplo de grande dignidade” (Ana Maria Machado), “atravessando momentos da História, mesmo os sombrios, sem perder o sentido dos valores” (Adauto Novaes). “Que acreditava que os valores humanistas poderiam ser resgatados” (Marina Mello e Sousa, sua filha). “Humanista convicto, teve uma importantíssima atuação a favor da transformação social e do direito dos trabalhadores” (Lula).

“Extraordinário carisma pessoal, naturalmente elegante, acolhedor, acessível a todos. Nada pernóstico. Um conversador fascinante e professor perfeito” (Fernando H. Cardoso). Humberto Werneck: “Entre muitas coisas boas, para mim ficou, pois, de Antonio Candido, o couseur maravilhoso que ele foi, dono de uma conversa que, mesmo quando se esgalhava em aliases, tinha sempre um fio saboroso, tobogã verbal em que o ouvinte deslizava, em estado de boquiaberto encantamento”. Concordo.

Desculpe esta canonização e concordância com os testemunhos, pois é o que deixou em mim também.

O “Homo Eletronicus”

16 de Junho de 2017, por João Magalhães 0

Já entramos, faz tempo, no campo evolutivo do “homo eletronicus”. No sentido biológico, como o mostram as evoluções científicas médicas atuais. O corpo humano se comporá com inúmeros chips que regularão ou até substituirão as funções de seus órgãos. Os marca passos cardíacos e cerebrais já o testemunham, bem como as próteses.

No sentido psicológico, ou dos comportamentos pessoais, os avanços são muito mais vastos. A eletrônica, sobretudo a globalmente dominada pela internet, oferece às pessoas um campo quase infinito de possibilidades com suas ambiguidades, suas ambivalências. Tanto educa, quanto deforma, favorece o anonimato, mas escancara também a privacidade, oferece ajuda, como ensina a maldade. Nos dias atuais, absolve menos, condena mais, menos verdades, mais mentiras.

Diz-se que o papel aceita tudo, você pode escrever o que quiser. Agora é a internet. Você pode postar o que quiser com muito maior amplitude e facilidade. Basta tirar um aparelhinho de seu bolso(a) e jogar para o mundo seus pensamentos e ou esquisitices, suas fotos e selfies, seu narcisismo e até suas intimidades. É uma revolução fantástica nas comunicações

E é nestas faixas amplas deste gramado que urge atuar para implantar uma ética, que é o estudo avaliativo de condutas. O que é bom ou ruim, permitido ou não, conveniente ou inoportuno etc., tendo como padrão a pessoa e a pessoa dentro da sociedade

A sociedade, por seus governos, tem que se preocupar e tomar providências contra fenômenos internéticos, muito frequentes que levam a prejuízos e males. Alguns muito graves, como, a título de exemplo, o Site de 50 desafios “Baleia Azul”, que pode levar a automutilação e suicídio (como já tem levado). Há pessoas com tendências a levar a sério desafios como estes: 1. “Com uma navalha, escreva a sigla F57 na palma da mão e em seguida enviar uma foto para o curador”; 3. “Corte seu braço com uma lâmina, “3 cortes grandes”, mas é preciso ser sobre as veias e o corte não precisa ser muito profundo...14.” Corte seu lábio”; 15. “Fure sua mão com uma agulha, muitas vezes; 26. “O curador indicará a data de sua morte, e você aceitará. E o 50 e último: “tire sua própria vida”.

Outro exemplo. O Ministério da Saúde observa, preocupado, que vêm ganhando força no País grupos que se recusam a vacinar os filhos ou a si próprios, mesmo com a gratuidade e as campanhas. Os grupos são impulsionados por meio de páginas temáticas no Facebook que divulgam, sem base científica, supostos efeitos colaterais das vacinas. A disseminação de informações contra as vacinas ocorre principalmente em grupos de pais nas redes sociais. O jornal “Estado de S. Paulo”, donde vêm estas informações, encontrou cinco deles, reunindo mais de 13,2 mil pessoas. “Os pais também trocam informações para não serem denunciados, como não informar aos pediatras sobre a decisão de não vacinar os filhos, e estratégias que eles acreditam que garantiram imunização das crianças de forma alternativa, com óleos, homeopatia e alimentos”.

É um assunto complexo. Proibir, censurar, não. A liberdade de expressão é um direito sagrado, mas há que se caminhar para uma ética da responsabilidade. Pesquisas mostram que as redes sociais são hoje o principal meio de disseminação de falsas notícias, as fake News. Que é significativa a porcentagem de pessoas que acompanham as notícias pelas redes, 49% no Brasil, 62% nos EUA. Que a maioria absoluta dos pesquisados (72%) considera que a atmosfera de vale-tudo nas redes sociais vai continuar como está ou vai piorar.

Diante disso, tem-se que se responsabilizar com punição a internet como se faz com a mídia escrita, falada e televisada. Qualquer órgão que abrigasse o “Baleia azul” poderia ser condenado por induzimento ao suicídio (art. 122 do CPB). O argumento dos hospedeiros, YouTube por exemplo, é que é impossível um controle prévio, pois são milhares de postagens por minuto. Acho que não se justifica. Faturam milhões e têm que desenvolver recursos tecnológicos para identificar os conteúdos com a mesma velocidade com que são inseridos.

É o que penso. E você?

Os simbolismos do corpo humano na Bíblia: Os pés – parte VI

18 de Maio de 2017, por João Magalhães 0

O ser humano oprimido - escultura em mármore branco, de Josef Wyss (1986), Romero-Haus, Lucerna, Suiça. O pé se confronta diretamente com a cabeça, a mais baixa parte do corpo com a mais alta, o símbolo da opressão com o símbolo do humano.

Os pés, por sua funcionalidade: locomoção, equilíbrio, pressão, proximidade com a terra etc. geram uma extensa gama de expressões, metáforas e comparações. No Dicionário do Aurélio, entre “pé ante pé” a “um pé no saco” contam-se mais de 50 expressões e os vocábulos compostos no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa somam mais ou menos sete dezenas, indo de “pé-atrás” a “pé de vento”!

Daí, a riqueza de símbolos relativos aos pés como mostra M.C. Amaral de Rosa em seu Dicionário de Símbolos: “Pisar a terra simboliza tomar posse. Pisar o inimigo simboliza a sujeição total. Na crença dos romanos, entrar com o pé direito traz sorte e com o pé esquerdo azar. Os pés descalços são símbolos de humildade; da pobreza consciente. Beijar os pés simboliza a profunda submissão. O lava-pés (Oriente) é símbolo de hospitalidade, símbolo de amizade e amor. O lava-pés de Cristo com os apóstolos presente na liturgia da quinta-feira santa na Igreja Católica simboliza a humildade. Na psicanálise o pé é símbolo fálico. Os seres demoníacos apresentam pés de animais; homens com pés de bode ou de cavalos e mulheres com pés de ganso ou de patos”

E as expressões esconjurativas tipo “Pé de pato, mangalô!”, repetida três vezes? E os amuletos, tipo pé de coelho no chaveiro etc.?

A maioria destes signos e símbolos aparece na Bíblia. “A língua hebraica não faz diferença entre pé e perna; de acordo com o contexto, regel pode significar ou um ou outro. Em paráfrases discretas, a palavra indica ocasionalmente também a região entre as pernas, as vergonhas do homem ou da mulher”.

A maioria das vezes com negatividade. Muito frequente nos salmos: “Senta-te a minha direita, até que ponha teus inimigos como escabelo de teus pés” (Sl 110,1). “Persigo meus inimigos... Eu os massacro, não podem levantar-se, eles caem debaixo dos meus pés” (Sl 18,37-39).

Com zombaria maliciosa: os ídolos de pés de barro. É Isaías 40,20 sugerindo a procura de um artesão hábil para construir “uma imagem que não vacile”.

O contraponto igualmente aparece. “Os teus pés... como são belos nas sandálias, ó filha de nobres” (Ct 7,2). E beleza literária de Isaías, 52,7: “Como são belos, sobre os montes, os pés do mensageiro que anuncia a paz, do que proclama boas novas e anuncia a salvação”.

E assim a prostração aos pés do soberano. Em Israel, muito rara em relação a um rei (Davi) ou um profeta (Eliseu) (1Sm 25,24; 2Rs 4,27.37), mas  comum diante de Yaveh  (Sl 2,11; 99,5; 132,7).

E como sinal da chegada do Reino de Deus, com paralíticos e coxos recuperando a liberdade da locomoção (Mt 15,30).

O tirar os sapatos. “Na Bíblia, tirar os sapatos e andar descalço está sempre ligado a experiências de debilidade, ao luto (Mq 1,8), à pobreza ou cativeiro”, bem como ao respeito aos locais sagrados. Ainda hoje exigido nas mesquitas muçulmanas.

O lava-pés, como sinal de serviço amigável prestado ao hóspede (Gn 18,3-5; 19,1; 24,32; 43,24). Costume tão antigo que já está presente na Odisseia de Homero: a criada reconhece Ulisses por uma cicatriz, ao lavar- lhe os pés.

Como homenagem e deferência. “E ficando por detrás, aos pés dele (a pecadora) chorava; e com as lágrimas começou a banhar- lhe os pés, a enxugá-los com os cabelos, a cobri-los de beijos e ungi-los com o perfume” (Lc 7,38). “Então Maria, tendo tomado uma libra de um perfume de nardo puro, muito caro, ungiu os pés de Jesus e os enxugou com seus cabelos” (Jo 12,3).

Como expressão de amor, quando feito por mulheres ou crianças ao pater familiae, ou como sinal de respeito, quando o discípulo lava os pés do mestre.

“Enquanto o lava-pés achava-se entre as inevitáveis tarefas caseiras da mulher, era impensável que um homem livre se entregasse a tal serviço de escravo. Tanto mais revolucionário deverá ter parecido, quando Jesus mesmo, em plena liberdade, assume o vergonhoso serviço do lava-pés. Daí o espanto inconformado de Pedro: “Senhor, tu a lavar-me os pés!?” (Jo 13,1-14).

 

(Citações: SChroer & Staubli: “Simbolismo do Corpo na Bíblia”)

Os Simbolismos do corpo humano na Bíblia: as mãos – parte 5

13 de Abril de 2017, por João Magalhães 0

Incluímos também o braço, pois, originariamente, na cultura semita, “iad” (“mão” em hebraico) era um todo: mãos e braços.

Atenho-me a algumas significações mais características e talvez menos conhecidas.

 

Bater palmas. Sinal de alegria, aplauso e aclamação, como no belo versículo de Isaías (55,12): “E todas as árvores do campo baterão palmas”. Mas também no sentido de rejeição, como em Lamentações 2,15, vendo a destruição de Jerusalém: “Todos que vão pelo caminho batem suas mãos ao ver-te”; de aplauso maldito, como em Ezequiel, 6,11: “Bate mãos, pateia com os pés, lamenta todas as abominações da casa de Israel, a qual há de cair pela espada, pela fome e pela peste”; no sentido apotrófico [o que tem poder de proteger, de afastar, expulsar o mal. Daí o “fazer figa”] como em Sofonias 2,15: “Quem passa por ela [refere-se à cidade de Nínive] assobia e agita a mão”.

Aliás, a nossa “Figa”, o nosso “fazer figa” é milenar, pois, “no antigo Oriente, em todos os tempos, as mãos apotróficas, destinadas a afugentar os poderes maléficos, gozavam de grande popularidade, seja como amuleto no pescoço ou na mão, seja como impressão da mão tingida de sangue nas paredes da casa, seja como garatuja na entrada de um túmulo”.

 

Mão esquerda e mão direita. O preconceito contra os canhotos (graças a Deus, parece superado, hodiernamente) tem fundo bíblico. No juízo final (Mt 25,41), os condenados ficarão à esquerda; as pessoas canhestras (de canho, canhoto. Olha o pejorativo!) anunciam maus presságios. Em Jz 3,15-19, faz-se questão de dizer que Aod, que assassinará o rei de Moab, era canhoto. A mão esquerda de Deus jamais é mencionada. Está ligada ao castigo, à infelicidade, enquanto que a direita é sinal de bênção.

 

Mão ritual. Basta lembrar a imposição das mãos, a consagração pela unção, o lavabo da missa católica, Pilatos lavando as mãos etc. “Na Palestina, comumente se elevavam as mãos durante a oração. Elas podiam expressar pedido insistente ou louvor. Mãos estendidas podiam também, no juramento, invocar o testemunho do céu. Fazer algo de mão erguida significava agir propositadamente. “Mais inusitado ainda pode parecer, no entanto, que em juramento solene, o jurado devia pôr as mão sob os órgãos genitais daquele a quem prestava o juramento”.

 

Mão e pênis. Schroer&Staubli informam que o hebraico não tem uma palavra para pênis. Usa de perífrases como pés, quadril, coisa, vara. Com mais frequência ventre e na acepção de falo, muito adorado pelos antigos, também mão.

“Por meio da perífrase “mão”, acentua-se o aspecto de força e poder do membro masculino. A potência, ligada à descendência e com isso à vida, era levada no Egito também em amuletos que tinham, às vezes, aspecto humorístico e grotesco”.

Em Gn 24,1-9, (cf.tb Gen,47,29 ss), Abraão diz a seu servo de confiança: “Põe tua mão debaixo de minha coxa e jura-me pelo Senhor, Deus do céu e Deus da terra, que não farás meu filho casar com uma filha dos canaanitas.” “Por trás desse costume arcaico pode estar a noção de que aquele que pronuncia o juramento o faz por sua força viril, que deverá murchar se o juramento for quebrado”

A Bíblia continua falando sobre mão criadora que sustenta o mundo, sobre mão poderosa e braço estendido etc. Finalizo com breve comentário sobre o dedo e o dedo de Deus. Os egípcios estendiam os dedos indicador e médio como defesa e executavam danças exorcistas com eles na posição vertical. E seus magos, não conseguindo dominar o castigo das pragas (Êx 8,15), reconheceram: “É o dedo de Deus”!


(Citações: Schroer&Staubli: “O Simbolismo do corpo na Bíblia”)