Marcelo, um mineiro que venceu no ramo de restaurantes em Portugal


Imigrantes & Empreendedores

José Venâncio de Resende0

Marcelo, em frente ao seu restaurante, "um esforço que valeu a pena".

Toda sexta-feira tem feijoada. Só não é completa porque falta a caipirinha. Mas aí seria Brasil. Em Portugal, comemos feijoada com vinho tinto mesmo.

Desde abril de 2019, funciona no Campo Pequeno – bairro próximo do centro de Lisboa – o Marcelo´s Restaurante, de propriedade do mineiro Marcelo da Silva Maforte. Até aqui, o caminho foi longo.

Natural de Miradouro – entre Muriaé e Juiz de Fora – onde nasceu em 1972, Marcelo mudou para Manhuaçu com cinco meses de idade. “Meu pai, Sebastião de Souza Maforte, era militar (da PMMG) e então foi transferido.”

Com quase quatro anos de idade, Marcelo perdeu o pai quando sua mãe, Maria Helena Maforte, estava grávida de gêmeos. Assim, a mãe ficou com Marcelo, o irmão mais velho Alexandro e os gêmeos Ederson e Anderson.

Então, os quatro filhos foram morar com a avó na cidade de Simonésia. Com oito anos, Marcelo - e o irmão Alexandro – voltou a viver com a mãe em Manhuaçu.

Nesta cidade, Marcelo estudou e concluiu o curso de contabilidade. “Aos 17 anos, eu estudava e trabalhava como empregado em uma lanchonete onde fiquei cinco anos.”

Em 1993, aos 20 anos, Marcelo casou com Marieli Maximiano e, para sobreviver, montou uma fábrica de batata frita. “Eu ainda tinha um trailer para vender lanches nos fins de semana em exposição agropecuária na região.”

Isto durou até 1998 quando o casal se transferiu para Vitória (ES) onde Marcelo foi trabalhar na lanchonete Café Tabaco, que funcionava no aeroporto.

Neste emprego, Marcelo ficou até o final de 2001. “A situação era muito difícil – eu fazia dois turnos e ganhava dois salários mínimos.”

Portugal

No início de 2002, um colega de Marcelo, de nome Fabrício, foi passar férias em Manhuaçu. “Aí ele me convidou para tentar a vida em Portugal.”
Marcelo aceitou o convite e, num primeiro momento, viajou sozinho para Lisboa, deixando no Brasil a esposa e os filhos Larissa (6 anos) e Vitor (6 meses).

Durante seis meses, Marcelo trabalhou na construção civil, fazendo limpeza em obras durante o dia e limpeza de garagens e vidros à noite para a mesma empresa. “Eu fazia as mesmas 16 horas, mas no Brasil ganhava 400 reais e aqui, 1400 euros.”

Em setembro de 2002, Marcelo deixou as obras para trabalhar como cozinheiro no restaurante Cantinho Açoriano, instalado no shopping Vasco da Gama. Manteve o mesmo ritmo, trabalhando em dois períodos.

Então, o patrão revolveu abrir o restaurante Gostinho Açoriano na Avenida Liberdade, centro da cidade. “Eu passei a ficar durante o dia na avenida Liberdade e à noite no Vasco da Gama, sempre como cozinheiro.”

Descontadas as despesas, o dinheiro que sobrava Marcelo enviava para a esposa, no Brasil. Ela investia em imóveis e terrenos nos estados de Minas Gerais e Espírito Santo.

Em 2004, o dono do restaurante fechou o estabelecimento do Vasco da Gama e Marcelo passou a fazer dois turnos no Gostinho Açoriano. No ano seguinte, o patrão abriu o Café Monumental, no Saldanha, entre o centro e o Campo Pequeno. “Então, durante o dia eu trabalhava no Café e à noite na Avenida Liberdade. Isto durou oito meses, depois passei a ficar só no Monumental.”

Até que, entre final de 2005 e início de 2006, o patrão de Marcelo decidiu abrir um café-restaurante no bairro Laranjeiras. “Fui para lá trabalhar em tempo integral” - ou seja, em dois períodos.

Em 2007, Marcelo viajou de férias e ao retornar do Brasil voltou a trabalhar no Café Monumental. Até que, em julho de 2008, trocou de cidade e de restaurante. Foi trabalhar de gerente e cozinheiro no restaurante Chimarrão, na cidade do Porto.

Em novembro do mesmo ano, Marieli juntou-se a Marcelo no Porto onde permaneceram até janeiro de 2009. Os filhos ficaram no Brasil com a avó e a tia. “Um ano depois trouxemos as crianças.”

Em Lisboa, Marcelo voltou à função de cozinheiro no restaurante Gostinho Açoriano da Avenida Liberdade. Marieli conseguiu um emprego no Café Suminho, instalado no Centro Comercial de Colombo.

Em 2013, Marcelo recebeu um convite da Escócia para trabalhar de cozinheiro numa churrascaria brasileira em Aberdeen. “Lá fiquei seis meses e voltei para Lisboa onde fui trabalhar para o mesmo patrão do Gostinho Açoriano.”

Negócio próprio

Em 2014, Marcelo abriu seu próprio restaurante, em sociedade com o paulista Fabiano Santos, na esquina das avenidas 5 de Outubro e Berna, no bairro de Campo Pequeno. “Por eu ser muito conhecido nessa zona, o Fabiano sugeriu que fosse colocado o meu nome, e assim ficou Marcelo´s Restaurante.”

Marieli deixou o trabalho antigo e juntou-se ao marido. A sociedade durou dois anos e meio, quando o sócio resolveu mudar para a Irlanda.

Marcelo assumiu sozinho o restaurante, que funcionou no local até abril de 2018 quando terminou o contrato de arrendamento (aluguel). “Eu fechei o restaurante e fiquei um ano à procura de um ponto. Além de caro, é difícil encontrar ponto e eu queria ficar nessa zona.”

Em novembro de 2018, surgiu a oportunidade de comprar uma loja no Centro Comercial Colúmbia, em frente à conhecida Praça dos Touros, no Campo Pequeno. “Reabri o restaurante com o mesmo nome no mês de abril deste ano, exatamente um ano depois.”

Além da esposa, trabalham com Marcelo a filha e mais cinco funcionárias (cozinheira e ajudante e atendentes de mesa e balcão) - quatro capixabas e uma mineira. “Todos os dias, às 5:30 da manhã, eu e minha esposa estamos aqui. Eu faço os salgados e, às vezes, alguns pratos.”

“O esforço foi grande, mas valeu a pena”, diz Marcelo. “Trabalha-se muito, mas no final a gente vê o resultado deste esforço.”

 

Deixe um comentário

Faça o login e deixe seu comentário